segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Viver...



"Preste atenção, não abra mão dos próprios sonhos, não tem perdão. Não deixe de sonhar, não deixe de sorrir, pois não vai encontrar quem vá sorrir por ti..."



Como boa sonhadora que sou, a estrada é o meu plano preferido e andar por ela tem sido um hobby por muito, muito tempo. A obrigação do sonho do além passou. Desfruto de bons momentos só meus, de boas histórias 'ao lado' e bons risos em parceria. Mas sonhar tem me custado um tanto de lutas pra não acordar. Impossível.
Tenho pensado aqui comigo no tamanho do meu mundo! ! Eu sempre fui do tipo de amar loucamente, de viver loucamente, de sorrir loucamente... Aos 25 percebo que assim devo permanecer. O loucamente ainda vai me acompanhar, por mais que a maturidade tenha me ensinado que um pouco de dosagem nunca matou ninguém! A realidade é bem vinda, nos bons e maus momentos!


É necessário deixar de sorrir quando se sente que é das lágrimas que aquele momento precisa. Fingir alegria é que é para os fracos. Aceitar nossas derrotas, medos, e dúvidas é o primeiro grande passo da vida adulta.


Aceitar, compartilhar, arrepender, conhecer... o tempo nos revela lições um tanto contraditórias. Não faz mal. Essa é a graça da vida. A gente espera alguém ir embora pra sentir saudades, espera esquentar pra querer o frio, esfriar pra pedir pelo calor...confiamos em quem não merecia, quebramos a cara, colamos cada pequeno caco com super-bonder e lá vamos nós mais uma vez, dando a cara á tapa, colocando o peito no pelotão de frente dessa guerra diária, dessa luta por mais felicidade, mais realização, mais serenidade...mais sinceridade!
Hoje eu vejo que amigos realmente são poucos, muitos passam, mais são realmente poucos os que chegam, conhecem nossos medos e fraquezas, e ficam! Os verdadeiros realmente te dão colo, de perto, de longe, integralmente, como carinho de mãe benzendo o olho com cisco, no sopro do mertiolate que arde!
Sinceridade não é algo que se aprende, é algo que se expõe, que muitas vezes corta, mas provoca apenas feridas cicatrizáveis.


O coração é só um orgão que bate descompassado quando o cérebro faz as pernas bambearem. É um pedacinho bobo da gente, que se perde, que confunde, que bate, e bate, e tem dias que só gostaríamos que ele não batesse descompassado, mas feito algo que cresce mesmo sem alimento ele bate, a gente querendo, gostando, aceitando ou não o motivo das batidas.


Sentimentos são relíquias, que devem ser guardadas a 7 chaves; e somente distribuídos a quem realmente os merece. Risos não. São o cúmulo da verdade. Sabe-se perfeitamente quando são reais. E eu já os vejo assim!
Saudade é o que não se explica. É o que ficou daquilo que não volta, é o que se tem daquilo que se quer. Como sonhar faz parte de mim, a saudade é meu leme, e sempre vai ser o que me guia. É mais verdadeiro que qualquer dos ditos "sentimentos", transborda, ultrapassa...é olhar pra traz e ver todo crescimento, ver a estrada trilhada com passos próprios, é lembrar do cansaço das subidas, da dor nos joelhos que apoiaram o chão durante as quedas, lembrar que muitas vezes as lágrimas impediram de ver perfeitamente o horizonte, assim como muitas vezes o sorriso tornou a caminhada mais amena. Talvez não tenha chego exatamente no caminho traçado, mas é o que eu sempre digo, e daí? A vida nos leva á bifurcações que nos definem como seres humanos, nos marcam, nos cortam, e sangra e cicatriza e vira filme em preto e branco com cheiro de pó em dia de chuva. E a gente sente saudade, e a gente sente dúvida, e tenta imaginar o que faria diferente, sem perceber que nossas escolhas nos definiram, nos talharam, tenham sido elas corretas ou não.
O prazer de ser eu mesma, Cáh, Cátia... me faz sonhar comigo, assim! É rir de mim pela falta de jeito, é acreditar no que ninguém mais acredita, é por a mão no fogo. É sentido, é sonho, é realidade! É pra mim o que passou, o que se faz, o que virá. E nada muda, a gente cresce, e dói eu sei, eu também sinto essa dor. Eu também sinto não fazer parte, mas tem dias que vem a alegria, e é plena, é minha, uma alma que sorri, porque faz a sua parte e isso basta.


E a estrada continua lá, pros dias em que precisar fugir do mundo, fugir dessa confusão que nossas dúvidas, nossas tragédias, nossos sonhos, nossos muros levantados tijolo á tijolo por medo daquilo e daqueles que invadem sem hora marcada.


E assim eu sigo, com mais memórias pro meu baú da felicidade. Com mais beijos, abraços, sorrisos, sonhos, e com uma puta vontade de ver o que tem atrás do próximo monte. E acreditem, eu nunca tive medo da subida, o poeta estava certo quando disse que a vista lá de cima, é espetacular!

3 comentários:

Angélica Medeiros disse...

Adorei o seu texto amiga.
Com sempre muito lindo!!
Beijokas.

orvalho do ceu disse...

OLá, querida
E nessas bifurcações... estamos nós a trilharmos o caminho do Bem.
Muito bonito seu post e profundo.
Um abraço fraterno de paz.

Renato Orlandi disse...

OMG, que intenso! Tive que ler a prestação para digerir tudo rs, adoro seu entusiasmo, ganharia o miss com ele rsrs, falo com sinceridade, quero um tantinho dela, adorei sua definição da saudade e das nossas escolhas, digna mesmo! Bjao!!!!!!!