terça-feira, 31 de agosto de 2010

Jazigo de uma Amizade...

Não sei a razão pela qual ainda me surpreende o fato de as pessoas me decepcionarem.
Quando eu digo que dedicação, sangue e parceria vão dobrar a esquina e nunca mais voltar, tem gente que ainda duvida.
Eu abri meu coração, e joguei fora todo teor de ceticismo fruto de experiências anteriores. Para mim, cada nova pessoa é uma porta aberta na vida. Novas histórias, aprendizado constante.
Mas, é definitivo como todo mundo vai te magoar um dia, de alguma forma. Tú só precisas escolher como vais lidar com isso. Eu sempre escolhi a força. Sempre escolhi jamais deixar que as decepções me modificassem na essência.
Muito mais difícil do que abrir o coração, seja pra uma amizade, seja pra um amor, é fechar ele de novo, fechar até que fique tão pequeno que tenha que expulsar a pessoa dali de dentro. E acreditem, a dor é imensa. Ao voltar ao tamanho normal, o coração reclama do espaço vazio e implora que seja preenchido novamente. Seja com uma nova amizade, um novo amor, uma verdade, uma esperança ou ainda um desejo.
Abrir as portas da vida, requer um bocado de coragem, um punhado de fé, e muito amor. Tudo isso bem plantado, faz nascer expectativas, que muitas vezes acabam por não serem regadas, e consequentemente, não há flores, não há fruto.
Não é de hoje, que mesmo sabendo que a grande maioria das pessoas só nos quer na hora boa, que eu aposto minhas fichas nelas. Não é de hoje, que eu não deixo pra amanha. Não é de hoje que minha vida recomeça todos os dias, como uma grande bênção que é , e não pode ser desperdiçada.
E é acreditando no tamanho da minha doação ás pessoas que eu amo, as pessoas que eu quero bem, que eu vou te dizer as últimas palavras ou preces, antes de colocar uma pá de terra sobre tudo que vivemos.
Seria cômico, se não fosse trágico, mas só quem se perdeu fui eu, acreditando que parceria era a nossa, onde bastava saber que tu estavas na minha vida, me bastava, me trazia uma alegria serena de quem carregava consigo uma certeza de jamais andar sozinha.
E que tipo de amizade eu acabei descobrindo ser essa? A-M-I-Z-A-D-E será que tu realmente conheces o tamanho do sentido dessa palavra?
Eu não sou a melhor pessoa do mundo, mas por mais que isso doa, um dia a ferida cicatriza, seca, e a marca apenas prova coragem de ter tentado. Marca a coragem por ter dado espaço pra mais alguém que entrou, e não teve a capacidade de tirar a lama das botas antes de me dar as costas.
Aqui jaz uma amizade. Que se deixou morrer, talvez porque jamais tivesse realmente tido uma vida...Descanse em paz...!

3 comentários:

orvalho do ceu disse...

Olá,
Gostei tanto desse seu post que vc nem pode imaginar...
Enterrei uma amizade viva há pouco tempo e só quem o fez sabe como dói...
Sinto sua dor... mesmo eu escondida...
Abraços fraternos e cheios de paz!

Carol Fonseca disse...

um,me vi nesse post,eu acho a amizade o sentimento mais nobre que um pode ter para com o outro,mas sou só eu quem acho isso,e sempre me decepciono com quem eu julgo ser meu amigo.A duas semanas uma amiga deixou de falar comigo,por achar que eu fiz uma fofoca com o nome dela,parece coisa de criança né? eu também achei,e nem era verdade a história,sinto uma puta falta sabe,aprendi a gostar dela, do jeitinho difícil dela,ela tem um grande coração,mas ainda se acha altosuficiente,eu tenho pena dela,pq quase ninguém gosta dela... enfim,faz uma falta danada...
obrigado por ter passado lá no meu cantinho,vou passar por aki,pq me identifiquei. beijos

Renato Orlandi disse...

nhaaa que fofaaa, eu estou nesse processo sabe, de abrir o coração e preencher os espaços vazios, mas nossa, que medo, eh muito espaço vazio, será q o meu coração estava tão miudo assim? pode contar com minha amizade sempre oka? bjuuu!