terça-feira, 20 de julho de 2010

(...)

Minha vela queima dos dois lados. Não ficará acesa a noite toda.
Mas ah, meus amigos! Mas ah, meus inimigos! É de uma luz maravilhosa"
Clarice Lispector
--------------------------------------------------------------------------
Uma vez eu disse aqui, que na minha certidão de nascimento deveria vir escrito OZ, lembram?
Pois é, mesmo assim, tem hora que até eu fico meio puta. Dá vontade de chutar o balde e dançar conforme a música. Mas o surto dura poucos segundos e logo volto ao meu estado normal.
Tudo que eu vivo, só me leva á conclusão de que o mundo não combina comigo. Por mais adolescente que possa soar pra quem lê, pra mim só isso faz algum sentido, isso ou ter nascido em OZ.
Talvez eu tenha estagnado no tempo pelo fato de que sendo criança eu era maior que tudo.
E o pior é, que eu detesto ter certeza que não me contextualizei com o fato de que a modernidade exige que se cegue os sentimentos.
E acredite quando eu digo, que dessa forma tristezas e alegrias viriam apenas em doses homeopáticas.
E sabe do que mais? Que se danem os meus testes psicológicos! Eu vou estar na casa dos 60 com os mesmos fortes traços de infantilidade, desenhando botões coloridos em blusas e me sentindo insegura diante de um mundo em que sou uma estranha. E tu estarás como?
Queres a previsibilidade agora por que? Como se vive calculando os próximos passos? Quem tem certeza do que vai dar certo na vida? Te sentes culpado do que?
Se eu pegar o calendário agora e voltar dois meses...A fruta amadureceu rápido, não é?
Por mais que bananas não possuam orelhas para serem puxadas, essa espécie frutífera aprende numa rapidez impressionante. Aquilo que convém, CLARO.
Nem tudo mudou. E o que permaneceu, continua aqui, com placa fortemente fincada de protegido pelo IBAMA.
Eu arrisco mesmo, me envolvo e te dou chances de me fazer feliz.
Carente são vocês que ficam aí sozinhos por receio do tombo. Solidão é opção. E eu não falo só de amor, por mais que considere ele elemento chave do brilho todo. Eu vejo além e ainda percebo a ausência de paz aí nesse coração.
És viúvo? Tá com tuberculose? Tua casa de praia pegou fogo? A vovó rifou tua bicicleta? Então por favor, larga mão de ser comedido e deixa o sol entrar.
Aqui e aí, também dentro de ti e de mim.
Se o começo de tudo foi um caos e tu te sentes sem paz, vai a luta, eu posso te ajudar a preparar um final perfeito.
E volte ainda mais o calendário..
Eu fui capaz de aprender a valorizar em um ano.
Percebi que não sei viver longe de minha mãe e que meu sistema imunológico é baixíssimo.
Percebi que minha família significa tudo e que o meu quarto é o melhor lugar do mundo.
Percebi que tudo vale a pena pelo amor principalmente quando esse amor se chama amor próprio.
Percebi que eu mereço muito mais do que dinheiro na minha vida profissional.
Eu dei sentido para esses 25 anos de existência.
Eu fui, voltei, fiz planos, coloquei-os em prática, desisti e me sinto ainda mais forte.Eu não quero que faças o mesmo.
Eu não faria o mesmo.
Não outra vez.
Eu não sou exemplo pra ninguém, mas como boa professora eu tenho planos de te ensinar a não adiar a felicidade.
Faça as malas, meu signo mudou...

2 comentários:

Renato Orlandi disse...

Aaaah não, maturidade não é a falta de infantilidade, mas sim a adequação dos momentos para utiliza-la, eu suér sou de OZ também, mas o outro OZ, falo de OZ a prisão de segurança máxima hehehe... Enfim, bjuuu e feliz dia do amigoooo uhuuullll!!!!! Seu blog foi um dos primeiros que eu conheci da blogosfera, nhaaaa que coisa bonitaa rs, bjuuu de novo!

Angélica Medeiros disse...

Que textoo lindo cáh! Ameiiii.
adorei a parte do: faça as malas, meu signo mudou!
Muitoo fortee.
beijos