quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Eu...

Sou do signo de Câncer. Água. Dizem que a profundidade é difícil de ser alcançada. Sou difícil de ser compreendida. Sou de fases, feito a lua. Muitas vezes não sei ser direta, mas sou franca. E exijo o mesmo das pessoas. Não gosto de meias-palavras ou meias-verdades. Só uso meias brancas. Mas nunca passo o reveillon toda de branco. Sou do avesso. Talvez eu seja, sim, o oposto daquilo que você espera de mim. Sou hiperativa ao extremo. Gosto de todos os bichos. Não gosto de muitas pessoas. Minha vida é desalinhada. Dirijo como uma mulher e choro como uma criança. Talvez eu mereça mais que isso.Talvez meu jeito estúpido de amar as pessoas ao meu redor não seja suficiente. Talvez eu precise começar do zero e aprender a amar. Aprender a viver como se diz no manual. O colégio militar não serviu pra muita coisa na minha vida. Minha família nunca me ouviu de verdade. Por isso, sou temperamental. Aprendi com a vida. Não gosto de ser incomodada sob o risco de eu te dar as verdades que não desejas ouvir. Gosto da liberdade, mas adoro companhia. Adoro abraçar as pessoas. Admiro os Pinguins. Aprendi no Discovery Channel que eles passam a vida inteira com o mesmo companheiro. São livres. Ninguém, nem nenhuma lei, obriga ninguém a ficar junto por mais tempo do que o amor consegue fazê-lo. Eu acredito nisso. No amor livre. No amor enquanto houver amor. No respeito, na cumplicidade, na transparência.
Por não saber o que quero da vida, vivo fazendo o que não quero. Por não saber amar, vivo levando na cara. Por amar demais, vivo sonhando. Por não acreditar nos sonhos, vivo me ferrando. Por me ferrar sempre, vivo me fechando. E por me fechar demais, vivo sem amor. Vivo com poucos amigos, poucas cifras e poucos CDs. Vivo com alguma poesia, uma caixa de lápis de cera e um Bonsai que me lembra duas agrandes amigas/irmãs. Vivo sem sorte no jogo e apostando no amor.Não quero amor de fim de noite. Não quero amor de uma noite só. Não tenho mais idade - nem saco - pra micareta. Não sei mais paquerar ou fazer joguinho de “não te quero só pra você me querer”. Não preciso que me queiram pra massagear meu ego. Tenho foco. Sou mulher de um homem só. Não preciso de conversinha com ex-rolos no Messenger porque sei bem o que eu quero. Não preciso de homem pra massagear meu ego. Não preciso testar meu poder de sedução mantendo possíveis casos amorosos na internet. Não preciso de ninguém pra me dizer o quanto sou linda, gostosa e inteligente. Pra isso, tenho espelho, academia, papel e caneta. Não preciso usar meu corpo ou muito menos minhas palavras pra conquistar alguém. Pra isso, tenho sentimentos que falam por mim.Acredito no amor, apesar de o amor não acreditar em mim. Valorizo as pequenas coisas, como o chocolate no fim da tarde e o almoço no meio do dia. Valorizo a boa intenção. A boa fé. Acredito nas palavras do coração pra fora. E nos sentimentos do coração pra dentro. Acredito em tudo que vem de dentro da alma. Acredito no agora e desconfio – muito – do futuro. Desejo o bem pra quase todas as pessoas que conheço. Acredito no desejo. Acredito na vontade que faz acontecer. Acredito que tudo que queremos de verdade acontece. Não acredito em pré destinações, cartas e tarô. Respeito todas as crenças. Acredito no amor que dura uma vida inteira. Desconfio do amor que dura uma noite. E respeito todas as formas de amar.
Acredito nas minhas verdades, inclusive aquelas que são mesmo só minhas. Mas adoro saber das verdades alheias. Adoro conhecer histórias, lugares, pessoas, principalmente se tiverem coisas boas a me acrescentar.
Sou mais boazinha do que realmente gostaria de ser, mais orgulhosa e rancorosa do que gostaria de ser, mais fechada do que gostaria de ser.
Tenho as vontades mais loucas, os sonhos mais tortos, e os desejos mais fortes.
A minha alegria assusta, contagia, e muitas vezes aproxima.
A minha trsiteza comove, por ser rara, por ser de dores que muitas vezes nem são minhas.
A próxima página ainda não tem título, não tem fotos, não tem marcações. Mas como qualquer página dessa tal autobiografia intitulada de minha vida, escreverei novamente com canetas coloridas....

Um comentário:

Luh disse...

Como sempre seus textos perfeitos Cah, e eu, sua didi carioca continuo me identificando com cada partezinha deles. Como pode?
rsrsrsrsrs...
saudade das nossas conversasss
beijosss